A polêmica do Kinder Ovo

Eu acho esse assunto tão absurdo que por mais que queira escrever sobre ele não sei nem por onde começar. Mas vamos tentar né… E podem atirar pedras se quiserem, o pensamento é pra ser discutido mesmo.

601962_416859948406991_766621221_n

Essa foi a imagem que causou tanto alvoroço no facebook ontem. Cada dia tem uma história e a de ontem foi essa. Ok, acho extremamente exagerada, mas em parte concordo e vou explicar porque.

Desde o começo do processo, quando o feto está lá na barriga da mãe, as lojas de roupas e enxoval para bebes separam os itens em três categorias: Rosa para meninas, Azul para meninos e Verde/Amarelo para quando não se sabe ainda qual o sexo da criança. A primeira roupa que comprei para minhas filhas, antes mesmo de saber que eram gêmeas, foi um conjunto de body + calça azul marinho de bolinha branca e com a estampa de um carneirinho no body. E eu comprei porque achei bonita e porque sabia que ficaria linda no meu bebe, fosse ele menino ou menina.

E acho na verdade, que o ponto dessa discussão é muito maior do que a sociedade (ou mesmo as empresas, pouco me importa) separar o que é de menino e o que é de menina, mas o simples CONSTRANGIMENTO que isso leva pra criança. Sim, essa será a palavra: Constrangimento. Agora vou falar um pouco de mim e vocês imaginem da forma que acharem melhor.

Quando eu era mais  nova, convivia mais com meninos do que meninas. As amigas da minha mãe tiveram mais filhos e o motivo era basicamente esse. Como eu brincava muito com eles, também brincava com os brinquedos deles e como eram meninos os pais não davam bonecas e casinhas, mas sim  “brinquedos de meninos”, espadinhas, bonecos de herói, carrinhos e etc… Conclusão? Eu, que sou menina (seriously?), adorava brincar de lutinha e assistir cavaleiros do zodiaco.

Agora imaginem o constrangimento: Eu, minha mãe, minha tia Márcia e o meu primo Felipe indo numa loja quando pequenos (isso realmente aconteceu, eu era bem nova e lembro porque me marcou bastante) estilo lojas americanas. Nessa loja tinha aquelas banquinhas de DVD/VHS na promoção, uma com filmes de super herói e outro com filmes de princesas. Meu primo e eu estávamos enlouquecidos porque achamos vários episódios de cavaleiros do zodíaco e queríamos levar pra assistir. Minha tia facilmente pegou um pra ele e a minha mãe, ao contrário, insistiu que eu levasse a Branca de Neve ou Cinderela. Eu, brava e sem entender, tentei explicar pra ela que eu preferia o outro e depois de muito insistir ela cedeu. E lembro de ter ficado muito triste quando via as pessoas adultas olhando feio pra mim porque tinha escolhido aquele filminho.

Eu era criança e estava me sentindo constrangida (óbvio que eu não sabia que o sentimento era constrangimento, eu só fiquei triste, provavelmente) porque eu, que era a mais interessada na história, era a que menos se importava se o brinquedo era de menino ou de menina, se era azul ou rosa, se era Blau ou Chablau.

E sobre o Kinder Ovo, eu acho errado sim vir escrito “menino” e “menina” na embalagem, porque pra mim nenhuma criança deveria se sentir triste ou constrangida de querer brincar com um brinquedo que a sociedade estipulou, sabe-se Deus lá por que, ser de um gênero que não é o dela. Então, na boa? Façam brinquedos pra crianças, não para meninos ou meninas! E deixem eles brincarem com o que eles quiserem e se divertirem em paz.

E só pra terminar, fica a opinião do real interessado no assunto, uma criança! ;*